top of page

Antônio Conselheiro: que o Brasil seja outra Canudos por inteiro!




Antônio Conselheiro, nascido Antônio Vicente Mendes Maciel, em Quixeramobim, Ceará, e falecido no Arraial de Canudos em 22 de setembro de 1897, se desterrara do Ceará, mergulhando em vida errante, à guisa de monge do deserto. Escoltado por uma turba extasiada, fixou-se no sertão baiano, onde ergueu, à margem do rio Vasa Barris, o Arraial de Canudos.


Poucos anos depois do fim da escravidão, fazendeiros das cercanias perdiam mão-de-obra barata para o povoado de Canudos, pois Conselheiro "abria aos desventurados os celeiros fartos pelas esmolas e produtos do trabalho comum".


Sebastianista empedernido, Antônio Conselheiro vaticinava que D. Sebastião acabaria com a Lei do Cão, a saber, o casamento civil ou o regime republicano, que não vinha dando conta das necessidades mais prementes dos ex-escravos e dos sertanejos. Os conselheiristas cantavam:


"D. Sebastião já chegou

E traz muito regimento

Acabando com o civil

E fazendo casamento.

Visita nos vem fazer

Nosso Rei D. Sebastião.

Coitado daquele pobre

Que estiver na lei do cão!"


O Arraial suscitou quatro expedições militares e o emprego de moderna artilharia e de petardo.


Para Ariano Suassuna, a pulverização do Arraial se somou à economia entreguista e insensível de Campos Sales e Joaquim Murtinho, precursora da de Fernando Henrique Cardoso e Pedro Malan. Bolsonaro e Guedes aprofundaram essa economia perversa. E há quem diga que a Nova República seja um aggiornamento da República que destruiu com fogo o povoado de Antônio Conselheiro.


Canta Ivanildo Vila Nova:


"Uma mancha no nome do Brasil

Mas talvez que no ano de dois mil

Esse nosso nordeste brasileiro

Seja outra Canudos por inteiro

Mais gente, mais garra e mais coragem"


E nós cantamos juntos -- provavelmente sem a mesma métrica:


Que esse nosso Brasil altaneiro

Seja outra Canudos por inteiro!

0 comentário

Comments


bottom of page