top of page

Nesse dia glorioso, o Brasil estava nascendo!

Nosso continente é terra de civilizações milenares. Mas a civilização específica da qual fazemos parte teve seu início com o encontro de inúmeros povos indígenas e os navegadores ibéricos.


As primeiras décadas desse encontro não foram marcadas principalmente pela violência, mas pelas trocas simbólicas e culturais, mestiçagem, comércio/dons, e formação de novas instituições e identidades bastante singulares.



Muitos autores trataram, dos mais diversos ângulos, do início desse processo que estabeleceu os fundamentos étnico-sociais do Brasil. Capistrano de Abreu, Manoel Bonfim, Darcy Ribeiro são alguns dos principais. Recentemente, Jorge Caldeira também deu importante contribuição, embora de um ponto de vista liberal.


Antes mesmo que a Monarquia decidisse a sério colonizar essa terra, os portugueses já estavam se misturando com indígenas, aprendendo tupi, sendo incorporados ao sistema de tribos e de parentesco dos nativos da terra e se tornando a primeira figura do brasileiro: o brasilíndio, como Darcy Ribeiro chamava esses primeiros mestiços que foram sementes do surgimento de um povo novo.


Os primeiros núcleos ''brasilíndios'' antecedem em pelo menos uma geração a elaboração e consolidação de um projeto formal de colonização. Que só foi levado a efeito a partir das alianças entre os poderes ibéricos e aqueles que se constituíam no Novo Mundo.


Quando os portugueses finalmente quiseram criar um domínio territorial e um sistema de ocupação e colonização do território, tiveram de entrar em acordo com esses mamelucos. Pediram ajuda a Caramuru, que vivia como tupi e possivelmente praticava a antropofagia. Tiveram de se ver com João Ramalho. Tiveram de admitir que a índia Catarina Paraguaçu era a Mãe do Brasil [e consequentemente, dos brasileiros], epíteto referendado pela própria Igreja Católica Romana.


Essas alianças, núcleos originais da formação da nossa Pátria, é que se expandiram pelos sertões, se diversificando em paulistas, sertanejos baianos, maranhenses, gaúchos. Depois chegou uma enxurrada de pretos de diversas etnias e espaços africanos, falando línguas diferentes, batendo tambores, forjando comunidades e religiosidades próprias, culinárias. Os que aqui já estavam, se mesclaram à vera com os africanos que chegavam, e se mesclaram sócio-culturalmente, inclusive no litoral patriarcal lusitano, em que adotaram uma certa formação familiar típica do escravismo norte-africano.


Todo este processo de repercussões civilizacionais de importância ainda insuspeitas para a História Universal se iniciou em um dia 22 de abril, quando as Caravelas lideradas por Pedro Álvares Cabral, pai da Pátria, aportaram no litoral da Bahia de Todos os Santos. Neste dia glorioso, o Brasil estava nascendo.


PÃO, TERRA, TRADIÇÃO!

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

コメント


bottom of page